O louco

Mulher_voando2

Subir aquela rua era a melhor parte do seu dia. Fingia não ver as risadinhas das meninas sentadas na árvore em frente ao famoso colégio, mas não se importava. Aquele era o seu momento, o momento mais esperado do dia, quando podia novamente sentir sua amada entre os braços, mesmo que fosse nos segundos efêmeros em que o vento, que sempre parecia soprar mais forte naquela esquina, atravessava o seu corpo. Ao abrir os braços, como que para recebê-la, ele podia sentir uma vez mais o seu perfume floral, a sensação dos cabelos compridos roçando pelo seu rosto e seu pescoço. E tudo o que ele gostaria, naquele instante, era de poder parar o tempo, parar o vento e mantê-la ali, com ele, como há muito tempo não podia mais.

Sabia que as pessoas que o viam subir uma das principais ruas da cidade e abrir os braços diante do nada o consideravam louco, mas louco ele havia sido anos atrás, ao deixar o amor da sua vida escapar por entre os seus dedos, por uma bobagem, pela maldita falta de confiança.

Ele viajou para tentar esquecer o que, mal sabia, nunca lhe sairia da cabeça. Ela, caluniada, sozinha, entrou em desespero e se enforcou, usando um dos galhos daquela árvore onde diariamente as meninas de uniforme sentavam para fofocar, provavelmente para falar das dores e das alegrias do amor. Ah, a juventude, elas ainda teriam tanto o que viver, o que aprender… quanto a ele, só lhe restava a culpa e os efêmeros segundos em que podia fechar os olhos e voltar ao passado. Ah se ele pudesse ser jovem novamente…

Anúncios

2 Comentários

Arquivado em Crônicas e Contos

2 Respostas para “O louco

  1. Isabella

    Tocante essa cronica, a nostalgia é uma forma de reviver os momentos inesquecíveis da vida!

    Afagos.

  2. tatyperry

    Estava conversando com uma amiga sobre a saudade e um conhecido vinha dizendo a mesma coisa hoje, sobre como mudamos e como às vezes sentimos falta do que passamos e de quem fomos e como outras vezes isso se torna um alívio. Acho que a nostalgia é uma chance de aprendermos com os erros e os acertos do passado. Só precisamos tomar cuidado com a forma como vemos o passado, afinal, tendemos a lembrar do passado sempre com um olhar saudoso e condescendente, quando em alguns casos, um segundo olhar mais atento, pode nos apresentar um outro quadro, mais próximo do real. Beijos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s