Águas rasas

desenhos_ballet_1

Desculpa se eu não dei espaço. Se fui uma poça rasa onde era impossível, pra você, mergulhar de cabeça e se aprofundar. Eu queria, juro que queria, mas cada vez que pensava em trazer você para mais fundo, algo me fazia recuar. Se servir de consolo saiba que não foi só com você, mas você foi quem eu mais desejei trazer para o fundo, deixar conhecer toda a água turbulenta, todas as ressacas, as agitações da água batendo contra as pedras. Ao mesmo tempo, você foi quem eu mais quis proteger de toda a escuridão, de todo o passado, de todo o medo, de tudo o que poderia te fazer ir embora.

Sei que não foi justo. Você me envolveu cada vez mais na sua vida, fez cada vez mais planos e eu ali, evitando aprofundar o que já era tão profundo em meu coração. Tentando proteger você e, por medo, causando mais dor a nós dois. Eu sei que deveria ter te dado o poder de escolha, deveria ter te incluído na minha vida como você me incluiu na sua, devia ter mergulhado em você e permitido que você mergulhasse em mim, mas como deixar que alguém mergulhe em um mar que você sabe que não é saudável para banho?

Desculpa eu devia ter te alertado, ter te dito que era furada se apaixonar por mim. Ter te alertado para o fato de que a água aqui não era profunda o suficiente para se mergulhar de cabeça. Mas eu achei que com você as coisas pudessem ser diferentes.

Infelizmente não foram.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Crônicas e Contos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s