Arquivo da tag: apego

Carta pra te dizer que vai passar

275598_Papel-de-Parede-Coracao-Partido--275598_1600x1200

Tô cansada sabe? Cansada de fingir que não estou sentindo nada. Cansada de fazer minha razão lutar contra o meu coração. É cansativo pra caramba sabia? Tentei não sentir, briguei comigo mesma dizendo que eu não podia sentir nada, mas a verdade é que não tá sendo fácil. Quando o dia finalmente chegou, a dor que eu tentei esconder e impedir de vir a tona venceu e chegou junto. Tá doendo sim. Não vou mais fingir.

Por favor, menino, não me entenda mal. Nada mudou. Continuo certa das decisões que tomei, certa de que não fomos feitos para ser, pelo menos não juntos, não nesse momento, mas não é por isso que te ver dizendo sim para outra não vai doer. O coração não é racional assim. Quem dera fosse. Talvez fosse mais fácil.

tumblr_le6vxxu22g1qc4o45o1_500_large (1)

Faz sentido a sensação de perda hoje ser maior do que no dia em que terminamos? Ou essa vontade de querer te ver uma última vez, pra olhar nos seus olhos e procurar a certeza da decisão que você está tomando e saber que você não está fazendo isso apenas por medo de ficar sozinho? Faz sentido eu estar triste, mas ao mesmo tempo só querer que você seja feliz, menino? Mesmo que isso signifique te dar adeus para sempre?

Você já se sentiu como se estivesse submerso e não conseguisse subir para a superfície? É assim que tenho me sentido nas últimas semanas, ou talvez desde o dia em que recebi a notícia. Tomei um choque tão grande e quando vi estava debaixo d’água, me debatendo, lutando contra os meus sentimentos para voltar à superfície, ao controle da minha vida, mas era como se cada vez que eu estivesse para conseguir sair da água uma onda viesse e me levasse novamente para o fundo.

tumblr_ljiq6dxldT1qzlnv7o1_500_large

É engraçado que em momento algum, enquanto me afogava, eu repassei a nossa vida juntos. O que me faz ver que não estou triste pela gente, estou triste pelo apego que ainda sinto em relação a você. O nosso nós já foi enterrado há tanto tempo e ele já doeu tudo o que tinha que doer. Isso só me dá uma certeza, o dia de hoje vai doer, mas finalmente eu vou sair da água e voltar a respirar livremente outra vez.

Deixe um comentário

Arquivado em Cartas

Apego não é amor

girl-sad-thinking-favim-com-222038_large

Acabou. Eu não amo mais você. É com um certo alívio que me dou conta que o que sinto quando vejo você ou ouço o seu nome ou quando a nossa música começa a tocar no rádio do carro não é amor, é apego pelo o que você representou, pelo o que vivemos e fomos juntos. E apego, meu bem, pode até enganar por um tempo, mas não é amor.

Eu não te amo mais. O que vivemos foi especial, foi intenso enquanto durou, mas como todo ciclo natural, chegou ao seu fim. Não tem o que lamentar, não tem o que sofrer… nos doamos, cada um ao seu jeito, ao máximo. O problema é que encaramos todo fim como uma espécie de fracasso pessoal e por isso nos agarramos a qualquer fio que sobre tentando fazê-lo permanecer o máximo possível, tentando entender o que muitas vezes não tem uma explicação mirabolante. O amor chegou ao fim, simples assim! Não sei explicar porque isso foi acontecer justo com a gente, mas aconteceu e acontece nas melhores famílias.

mulher-bebendo-chá-de-canela

Me dei conta que não te amava mais e que aquela mania de dormir agarrada ao seu travesseiro (porque eu achava que o seu cheiro me acalmava) ou de colocar a nossa música no repeat do iPod era apenas apego durante uma insônia daquelas que sempre me perseguiu desde que você partiu. O relógio da cozinha marcava 2h34 da manhã e enquanto eu esperava a água do chá ferver percebi que não sentia sua falta, que naquele momento não fazia a menor diferença você estar ali ou não. Até pensei em ligar o iPod e sabia exatamente que música começaria a tocar, mas naquele momento ela não me deixaria triste porque eu não estava com vontade de ficar triste remoendo algo que tinha chegado ao fim. E ali eu me dei conta, não era mais amor, era apego.

Voltei pro quarto e deitei aproveitando pela primeira vez todo o espaço da cama, sem me preocupar em estar invadindo o “seu” espaço. Apaguei a luz e, aliviada, dormi como há muito tempo não dormia, sem me preocupar em sofrer antes de dormir. O apego foi embora, e levou com ele você e a minha insônia.

Deixe um comentário

Arquivado em Crônicas e Contos