Arquivo da tag: Rio de Janeiro

Quando você estava aqui

mensagens-para-sonhadores-parte-2-1

Tem tanta coisa aqui que eu queria te contar. Tipo, como eu passei pela sua antiga faculdade ontem e fiquei lembrando de uma época em que éramos sonhadores e podíamos passar horas fazendo planos para os nossos futuros. E de como depois fui descendo a pé até chegar ao Parque Lage e fiquei na dúvida se realmente estava te vendo falar sobre García Marques, com aquela paixão tão característica sua, ou se era apenas meu desejo inconsciente de te ter ali comigo mais uma vez. Queria te contar como a Urca continua a mesma, exceto pela falta de você.

Tanta coisa mudou desde então… Você resolveu mudar de cidade, de trabalho, de amigos. Quem sabe até de sonhos. Mas ao mesmo tempo tanta coisa ainda continua a mesma. Eu ainda tenho medo de ficar sozinha no escuro, ainda sonho mais acordada do que dormindo e meus melhores textos ainda são sobre você, embora você nunca tenha se dado conta disso.

Tudo mudou em tão pouco tempo, ainda assim continuo querendo te contar que tudo era melhor quando você estava aqui.

Deixe um comentário

Arquivado em Crônicas e Contos

O inesperado que traz cor

primeiro-beijo-e-mais-marcante-do-que-perda-da-virgindade-diz-pesquisa-7227d7b738310aef6d4e69c81d9a30ef

Uma briga com a vó, uma tentativa de assalto, uma nota ruim e aquela chuva torrencial, fazendo a Praia Vermelha alagar, nos mantendo na faculdade por, pelo menos algumas horas a mais. O que mais poderia me acontecer? E então você chegou, fazendo graça da situação e aproveitando a falta de luz pra me beijar bem ali, no meio da escada. E diferente dos outros “primeiros beijos” o seu não foi apreensivo. Não havia qualquer sinal de dúvida. Você sabia, e muito bem, o que estava fazendo. Eu podia sentir os olhos e ouvir as piadinhas da turma inteira sobre a gente, mas passado o susto inicial, nada mais me importava.

Você me perguntou se eu queria sair dali. Mas e a chuva? Isso realmente importa? Com cuidado e parando a cada 100 metros para mais beijos finalmente alcançamos o shopping mais próximo. Você sugeriu um cinema, mesmo encharcados como estávamos. Vamos acabar doentes. Você pensa demais, garota.

Beijo sob a chuva, cinema, pipoca e refrigerante divididos. Um começo clichê para o casal tachado de menos clichê da turma. O inesperado trazendo cor a um dia até ali perdido. A primeira letra de uma história rascunhada a dois.

Deixe um comentário

Arquivado em Crônicas e Contos